Stand by me, Harry & Meghan

Por trás do lindo véu de seda branca uma incógnita instigante: o que Meghan Markle está a dizer ao mundo?

Ativista americana, divorciada, atriz bem-sucedida, afrodescendente. E nascida três anos antes do noivo. Quem encaixaria esse perfil a realeza britânica?

O amor.

Harry, o filho caçula de Lady Di, a Princesa de Gales que comoveu o mundo, parece ter descoberto algo mais nobre do que o costumeiramente sugerido pela tradição burguesa dos bons casamentos planeados em interesses e meras convenções sociais que alicerçam a monarquia.

A final, os casamentos reais sempre falaram muito mais do que propriamente os sentimentos experimentados pelos noivos.

Assim, mais do que um conto de fadas, o que Harry e Meghan simbolizam é um novo perfil das configurações sociais que, sem desprezo a tradição, renovam os costumes e trazem à cena o senso da realidade contemporânea: a mulher independente, o culto ecumênico, a miscigenação racial.

Essa quebra de paradigma enfrenta, ao menos, três ícones do debate atual: a igualdade de gênero, a liberdade religiosa e a discriminação racial.

E ela? Bem, para além da filantropia, espera-se que Meghan Markle engaje seu ativismo no levantamento do outro véu, aquele que separa a as mulheres que sequer tem o direito de ter orgasmo daquelas que tem potencial suficiente para entrar sozinhas na Igreja e integrar a Corte Inglesa.

Conte comigo, querida!

Lisboa, 19 de maio de 2018.

Ângela Konrath

Vídeo: Ginny Klie e Quarteto Banho de Lua, Alameda Casa Rosa – Floripa 50th Ângela Konrath

9 respostas para “Stand by me, Harry & Meghan”

  1. Texto redigido com uma visão minimalista de mundo! Uma excelente tradução do que foi este casamento para os enlaces mundiais! Talvez, um ponto de partida para um “novo mundo”. Bela descrição! Parabéns, excelência! Sou sua fã!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *